Morre Maria Camargo, guardiã do legado de Iberê - Marco Baptista

25 fevereiro 2014

Morre Maria Camargo, guardiã do legado de Iberê

Mais do que uma companheira, Maria Coussirat Camargo era a verdadeira guardiã da obra de seu marido, o artista Iberê Camargo. Dona Maria, como era chamada, morreu na tarde desta terça-feira, aos 98 anos, de causas naturais. Ela estava internada no Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre.

Maria ocupava a cadeira de presidente do conselho superior da Fundação Iberê Camargo, instituição criada por ela em 1995, um ano após a morte do marido. Por isso seu velório será no auditório da própria sede da instituição, nesta quarta, entre 14h e 20h. O enterro está marcado para quinta-feira, às 11h, no cemitério Santa Casa.
Nascida em 28 de novembro de 1915, em Porto Alegre, Maria Camargo formou-se professora na Escola Sevigné e, por se destacar nas aulas de desenho, foi aceita na antiga Escola de Belas Artes, atual Instituto de Artes da UFRGS. Lá, obteve a graduação em pintura e estudou com grandes professores da época como Ângelo Guido, Francis Pelichek, Luis Maristany de Trias, Fernando Corona, José Lutzenberger, João Fahrion.

Foi em 1939 que Iberê Camargo conheceu Maria, sua colega em uma aula de História da Arte. Em novembro, eles se casaram. Reconhecendo o talento do marido, Maria começou cedo a guardar seus desenhos e o acompanhou nas mudanças e viagens que a carreira de pintor exigiria. Foi assim em 1942, quando Iberê recebeu uma bolsa para estudar no Rio de Janeiro e também em 1949, quando partiram para uma temporada na Europa. Continue lendo...

Fonte: Zero Hora - Segundo Caderno: http://migre.me/i33mT
.............................................................................................................................

Iberê é reconhecido nacionalmente como o maior pintor brasileiro. Ele era um daqueles poucos gênios que cruzam pela história de tempos em tempos. O grande iberê, gaúcho nascido aqui pertinho, em Restinga Seca, nas localidades de Santa Maria. A pintura desse grande homem é impressionante, camadas e camadas, intenso como nenhum outro. Iberê pintava sobre a pintura e isso parece estranho mas se você ver o processo desse artista entenderá este novo conceito. A pintura é posta sobre a pintura, uma camada  anula sua anterior para criar uma outra. Sua arte é fruto de uma construção que nem mesmo o artista poderia prever seu fim. Uma obra digna das palavras de  Baudelaire ao dizer que a surpresa, o espanto são as características básicas de uma obra de arte.

 Dona Maria teve papel fundamental nesse processo, não somente pelo incentivo, mas até mesmo na viabilidade do material usado, que era usado de pá. Esta grande mulher, tão amante da arte quanto seu esposo, foi o último suspiro do grande mestre Iberê Camargo. (MBM)

Quer saber mais sobre Iberê camargo acesse: http://www.iberecamargo.org.br/site/default.aspx

Conheça o Processo criativo de Iberê Camargo

Atualizações do Instagram