VIrada Russa - Marco Baptista

27 junho 2009

VIrada Russa


Virada Russa
Escrevo aqui informalmente sobre a exposição que está ocorrendo no CCBB no Rio de Janeiro – Virada Russa.
A grande variedade de pesquisas plásticas no mundo e conseqüentemente na Rússia no inicio do século XX caracterizam essa exposição. Percebi que embora essa enorme gama de possibilidades, o caráter russo é amplamente reconhecido. Racionalista, lógico e questionador.
Quem sabe seja pelas influencias da fase. Época de transformações, crescimento da indústria, nova sociedade urbanizada, fim do império dos Czares.
Kandinski e sua nova concepção de representação. Explora a dinâmica das formas e das cores sem que esteja presa a figuração. Maliévitch já evidencia a total independência da arte com relação ao real, usa a geometria (algo que existe apenas em conceito) para afirmar que a arte não precisa deter-se em representar. Pesquisadores da arte, cientistas da forma e das questões da sociedade moderna.
Junto a esses trabalhos encontram-se obras de representação da realidade russa, pastoril, e revolucionaria. Mesmo aí encontramos uma busca racional de desdobrar a imagem.
Desde sempre artistas evidenciaram que a arte não é simplesmente representação do real, mas que tem um desdobramento dentro do campo construído (o quadro). E esses pesquisadores resolveram evidenciar em alto e bom som o que realmente importa.
Por isso indico que não queiram ir pra criticar no sentido estético, mas se interem do que representaram esses trabalhos no seu contexto, e o que desencadearam.
Olhem, vejam, apreciem e revejam, porque vale a pena.
Marco Baptista

Atualizações do Instagram